podcast do isaúde brasil

Publicada em 16/07/2020 às 09h18. Atualizada em 16/07/2020 às 09h24

A ditadura da beleza e a pandemia do novo coronavírus

Desejamos um corpo que nos agrade ou que agrade o desejo do Outro?

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Verão, sol, praia, biquíni, aquele jeans fantástico, barriga negativa, curvas que chamam atenção... São muitas as situações que cobram da sociedade contemporânea um padrão de corpo que nos transforma em inimigo de nós mesmos. Mas será mesmo que você precisa ser igual a todo mundo? 

Esse modelo de corpo faz sentindo para você ou o motivo que lhe faz perseguir este corpo ideal trata-se da busca pela aceitação de terceiros a você? Seria eficiente que ao desejar algo fizéssemos a seguinte reflexão: o que almejo é um desejo meu ou uma impressão do desejo do Outro? Não sendo uma questão pessoal, é hora de compreender alguns nuances que estão postos socialmente e muitas vezes nos tornamos pouco sensíveis a eles.

Se faz crescente no bojo da sociedade atual o rótulo sobre a perfeição do corpo humano, entretanto é nítido o foco no corpo feminino, a este rótulo denominamos ditatura da beleza. A busca incessante pelo corpo padronizado, que é aceito pela sociedade, faz com que o Brasil fique no ranque entre os cinco países do mundo que mais consomem medicamentos para promover o emagrecimento e entre os três com maior índice de realizações de cirurgias plásticas, sendo o maior público feminino. 

" A busca incessante pelo corpo padronizado (...) faz com que o Brasil fique no ranque entre os cinco países do mundo que mais consomem medicamentos para promover o emagrecimento..."

Claro que não há problema em fazer as pazes com o espelho recorrendo aos procedimentos estéticos quando estes forem necessários e recomendados por profissionais especializados, mas em tempos de pandemia, quando a nossa sobrevivência encontra-se ameaçada, quando as academias estão fechadas e as nossas emoções estão tão fragilizadas, questionamos se estamos no melhor momento para seguir em busca desse corpo desejado, se muitas vezes aprendemos a  “comermos as nossas emoções para dar conta da difícil tarefa de viver nesses dias atuais”. Muitas vezes não conseguimos driblar as condições vivenciadas e ao invés de nos aproximarmos do corpo desejado, acabamos por aumentar os quilinhos na balança, acentuando os quadros de obesidade.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) assegura que a obesidade é uma doença de causa multifatorial, pois está associada a diversos fatores como questões: biológicas, hereditárias, psicológicas, sociais e econômicas. Sendo conceituada devido ao acúmulo desordenado e excessivo de gordura corporal que oferece riscos à saúde, podendo desencadear outras doenças secundarias, a exemplo das doenças cardiovasculares e diabetes.

"O emagrecimento é o resultado e não ponto de partida, o início deste processo origina-se em mudanças comportamentais que em primeira ordem demandam alterações no modo de pensar."

O emagrecimento é o resultado e não ponto de partida, o início deste processo origina-se em mudanças comportamentais que em primeira ordem demandam alterações no modo de pensar. Não há possibilidade de haver uma “mente gorda resultando em corpo magro”, para tanto, é importante salientar a relevância do acompanhamento multiprofissional que envolve, médico, nutricionista, psicólogo e educador físico. Sem a orientação de profissionais capacitados, há riscos de comorbidades serem associadas ao quadro clínico da obesidade. 

Antes de se desesperar e perseguir o corpo perfeito a qualquer custo, vale fazer as seguintes perguntas: Por que eu acumulei tanta gordura? Eu preciso realmente perder peso? Por que eu desejo uma mudança no meu corpo? O que este corpo significa para mim? Após a reflexão realizada compreenda que cada curva no seu corpo conta um pouco da sua história de vida e dos caminhos que você precisou trilhar para chegar até o momento presente, logo essas informações não podem ser dispensadas.

Realizar conexão com as suas prioridades e estabelecer metas alcançáveis são estratégias iniciais que podem ser adotadas nos tempos de pandemia do Novo Coronavírus. Não evocando risco à sua saúde física, cuide da sua imagem, autoestima, emoções, sentimentos, conceitos e preceitos. Orgulhe-se de quem você se tornou, com curvas ou não busque mais que um corpo belo, busque um corpo saudável.

Aceite-se, ame-se para além da verbalização, somos a nossa melhor companhia.  Autocuidado é importante! Busque as suas prioridades, o que gosta, o que evoca a tão desejada felicidade para além de um corpo magro, recorde dos bons momentos que vivenciou e programe-se para os próximos que serão possíveis você vivenciar. 

Referências:

Dias, Patrícia Camacho; Henriques, Patrícia;  Anjos, Luiz Antônio dos; Burlandy, Luciene. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cad. Saúde Pública 2017; 33(7):e00006016. doi: 10.1590/0102-311X00006016

Compartilhe

Saiba Mais