podcast do isaúde brasil

Publicada em 29/06/2020 às 06h20. Atualizada em 29/06/2020 às 08h57

Estresse e espiritualidade de mães de bebês prematuros

Estudo realizado em São José do Rio Preto (SP) discute o papel da espiritualidade no enfrentamento da hospitalização de prematuros em UTIN.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"O Brasil está entre os dez países com as taxas mais elevadas de prematuridade. "

O nascimento de um bebê prematuro interrompe o curso esperado do ciclo da gravidez, influencia no processo psíquico da construção da maternidade e impõe à mulher um tempo mais curto do que se esperava para ser mãe. O momento torna-se estressante pela antecipação do parto e separação brusca do seu bebê, privação dos cuidados parentais e preocupação da mãe com a sobrevivência do recém-nascido em ambiente hospitalar, traduzindo-se em uma vivência de crise, tanto para os pais e familiares quanto para a equipe de saúde.

O Brasil está entre os dez países com as taxas mais elevadas de prematuridade. Mais de 12% dos nascimentos acontecem antes de a gestação completar 37 semanas. Isso significa que 340 mil bebês nascem prematuros todo ano, o equivalente a 931 por dia ou a 6 prematuros a cada 10 minutos, segundo o Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (Fundação Oswaldo Cruz, 2018). A ocorrência de partos prematuros e a magnitude desse fenômeno no índice de mortalidade infantil constituem um problema de saúde pública. Os fatores maternos associados à prematuridade são de origem multifatorial, podendo inclusive variar entre fatores sociodemográficos.

A prematuridade está frequentemente associada à hospitalização em UTIN (Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal), devido aos problemas de saúde que o prematuro pode apresentar. Isso repercute, de maneira especial, na interação entre pais e seus bebês, caracterizando um período complicado e angustiante, pois o convívio e os cuidados iniciais que poderiam ocorrer entre eles de maneira natural são dificultados pelo ambiente e pelos procedimentos de que o bebê necessita durante a internação.

Portanto, a permanência do bebê em uma UTIN impede a mãe de oferecer os primeiros cuidados com o recém-nascido, impõe horários de visitas e regulamentações de como se aproximar do bebê. Este afastamento necessário para a sobrevivência do filho desorganiza a dinâmica inicial da díade mãe-bebê e faz com que a genitora se sinta impedida de acolhê-lo como mãe, evento que pode influenciar na construção do vínculo, tornando-se potencial gerador de estresse materno no período pós-parto.

O estresse é definido como uma reação do organismo, com componentes físicos e/ou psicológicos, causado pelas alterações psicofisiológicas que ocorrem quando a pessoa se confronta com uma situação que, de um modo ou de outro, desestabiliza a homeostase do organismo.

O estresse, de modo geral, é caracterizado pelo processo no qual a pessoa percebe e responde a eventos que considera prejudicial. A vivência do estresse dependerá tanto do evento estressor quanto da avaliação cognitiva que a pessoa faz da situação decorrente, em parte, de fatores que esta possui, tais como o suporte social, crenças existenciais e estratégias psicológicas.

"Esta conexão com algo maior corresponde à espiritualidade e têm alcançado destaque na literatura devido suas implicações benéficas no auxílio do enfrentamento em situações de estresse." 

Aqueles que compreendem a sua situação pessoal, influenciados pela busca de significados coerentes com o propósito e o sentido de vida com base em conexões com algo maior, com frequência são afetados por emoções positivas. Esta conexão com algo maior corresponde à espiritualidade e têm alcançado destaque na literatura devido suas implicações benéficas no auxílio do enfrentamento em situações de estresse. Tendência que aumentou o número de pesquisas relacionadas à influência da espiritualidade no comportamento humano e na saúde.

A pesquisadora Anete Roese (2011) compreende a espiritualidade como elemento inerente ao ser humano, caracterizado pela vivência dos valores mais profundos. É a manifestação da essência, na qual humano e divino são uma única matéria. A principal função da dimensão espiritual acontece por meio da transcendência, que seria a capacidade de levar o ser humano a ir além de si, ou seja, buscar um vínculo com ele mesmo, com os outros seres humanos e com o mundo.

Nesse sentido, a espiritualidade é compreendida como uma função psíquica proveniente da natureza do homem, em um processo dinâmico da relação com o mundo interno/externo por intermédio da vivência simbólica do sagrado.

A fim de entender o significado da dimensão espiritual como mediadora emocional do estresse de mães de bebês prematuros na UTIN, foi realizado um estudo com a participação de 12 mães cujos bebês nascidos prematuros estavam hospitalizados na UTI Neonatal do Hospital da Criança e Maternidade (HCM) de São José do Rio Preto, devido à prematuridade, no período de agosto a novembro de 2017. 

A pesquisa também procurou avaliar o estresse de mães de bebês prematuros na UTIN, identificar a qualidade da satisfação de bem-estar espiritual e avaliar o significado da dimensão espiritual como estratégia de enfrentamento.

Resultados e discussão

Além de dados, como a escolaridade e estado civil das mães, o estudo também observou fatores de estresse, como o impacto do ambiente hospitalar. A pesquisa revelou que 33% das mães não consideravam estressantes os sons e imagens que ocorrem dentro da UTIN.

Heck et al. (2016) buscou compreender os sentimentos maternos vivenciados nas diferentes etapas do método canguru, modelo de assistência pré-natal que integra estratégias de intervenção biopsicossocial a partir do contato do bebê, pele a pele, na posição vertical, junto ao peito dos pais ou de outros familiares, com o objetivo de promover de forma gradual o desenvolvimento do bebê prematuro. A primeira etapa do método corresponde a hospitalização em UTIN, e o autor identificou que o sentimento de estresse materno pode ser minimizado pela forma como a equipe acolhe a mãe. Abordagens humanizadas, como conversar sobre o estado de saúde do bebê e explicar sobre os procedimentos realizados, podem tornar a vivência na UTIN menos estressante e auxiliar a mãe a se tornar ciente da necessidade da hospitalização do bebê.

A pesquisa “Vivências de mães e bebês prematuros durante a internação neonatal”, realizada no Rio Grande do Sul, em 2017, enfatiza que os sentimentos vivenciados pelas mães durante a hospitalização do bebê relacionam-se ao fato de que elas precisam se adaptar à imagem do bebê real para dar início à interação.

Um estudo espanhol, realizado em 2015, identificou o vínculo materno-fetal como um precedente significativo de ligação pós-natal entre mãe e bebê. A presença da mãe, inclusive sua própria existência, suscita reações no bebê e, de forma recíproca, a presença e existência do bebê evocam reações na mãe. Devido ao vínculo inicial materno-fetal associado a aspectos emocionais gerados durante a gestação, que permitem que, após o nascimento, o bebê seja visto pela mãe como outro ser.

Em condições satisfatórias nas quais o vínculo mãe-bebê é preservado, sabe-se que a mãe se dispõe a um preparo singular para satisfazer às necessidades de seu filho por meio da preocupação materna primária. No entanto, a impossibilidade da mãe em oferecer seus cuidados ao bebê, durante o período em que ele permanece hospitalizado, interfere na sua autoestima. O estudo realizado no Rio Grande do Sul observou que as mães permaneciam ao lado da incubadora esperando qualquer reação do bebê em relação ao seu toque, sua voz e seu olhar.

No que tange à questão da espiritualidade, em uma pesquisa realizada em Natal (RN), que buscou compreender como mães de bebês prematuros percebem a relação entre saúde e espiritualidade, foram encontrados resultados semelhantes. A análise qualitativa dos relatos revelou predomínio em categorias, como Fé e esperança em Deus, Efeitos da oração e Benefícios da relação Saúde-Espiritualidade. Os pesquisadores observaram que, para as mães, acreditar na força de um ser transcendente (Deus) se mostrou como suporte para permanecer em um ambiente com alto nível de tensão como a UTIN.

Referências:

Amatuzzi, M.M (2001). Pesquisa Fenomenológica em Psicologia. In Bruns, M. A. T., & Holanda A. F. (Org.). Psicologia e Pesquisa Fenomenológica: Reflexões e Perspectivas. São Paulo: Ômega Editora.

Baseggio, D. B., Dias, M. P. S., Brusque, S. R., Donelli, T. M. S., Mendes, P. (2017). Vivências de mães e bebês prematuros durante a internação neonatal. Temas em Psicologia, 25(1), 153-167. Recuperado de pepsic.bvsalud.org/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2017000100010. doi: 10.9788/TP2017.1-10

Bruns, M. A. T. (2007). A redução fenomenológica em Hurssel e a possibilidade de superar os impasses da dicotomia subjetividade – objetividade. In M. A. T. Bruns, & A. Holanda (Eds.), Psicologia e pesquisa fenomenológica: Reflexões e perspectivas. São Paulo, SP: Alínea.

Carvalho, L. S., & Pereira, C. M. C. (2017). As reações psicológicas dos pais frente à hospitalização do bebê prematuro na UTI neonatal. Revista da SBPH, 20(2), 101-122. Recuperado de pepsic.bvsalud.org/scielo.php arttext&pid=S1516-0858201700020 0007&lng=pt&tlng=pt

Corazza, L. F. G. (2016). Diálogos da psicologia analítica: espiritualidade na contemporaneidade (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016. Recuperado de https://tede2.pucsp.br/ handle/handle/19196

Galvão-Coelho, N. L., Silva, H. P. A., & Sousa, M. B. C. (2015). Resposta ao estresse: II. Resiliência e vulnerabilidade. Estudos de Psicologia (Natal), 20(2),72-81. Recuperado de www.scielo.br/scielo.php 294X2015000200072&script=sci_abstract&tlng=pt. doi: 10.5935/1678-4669.20150009

Ferraz, G. A. R., Rodrigues, M. R. K., Lima, S. A. M., Lima, M. A. F., Maia, G. L., Pilan Neto, C. A., ... Rudge, M. V. C. (2017). O reiki ou a oração são efetivos no alívio da dor durante a internação da cesariana? Uma revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos randomizados. São Paulo Medical Journal, 135(2), 123-132. Recuperado de www.scielo.br/scielo.php. doi: 10.1590/1516-3180.2016.0267031116

Foch, G. F. L, Silva, A. M. B, & Enumo, S. R. F. (2016). Enfrentamento religiosoespiritual de mães com bebê em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Temas em Psicologia, 24(4), 1193-1203. Recuperado de pepsic. bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 389X2016000400001. doi: 10.9788/TP2016.4-01

Heck, G., Lucca, H., Costa, R., Junges, C., Santos, S., & Borck, M. (2016). Compreensão do sentimento materno na vivência no método canguru. Revista de Enfermagem da UFSM, 6(1), 71-83. Recuperado de https://periodicos.ufsm.br/reufsm/ article/view/18083. doi: 10.5902/2179769218083

Jung, C. G. (2015). O Mapa da Alma. In C. G. Jung. Seelenprobleme der Gegenart. Zurique (1931- 1950) pág. 27.

Lipp, M. E. N. (2000). O Inventário de Sintomas de Stress. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Loss, A. B. M., Caprini, F. R. R., Pâmella, V. M. S., & Andrade, B. L. S. (2015). Estados emocionais e estratégias de enfrentamento de mães de recém-nascidos de risco. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 8(1), 03-18. Recuperado de pepsic.bvsalud. org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1983- 82202015000100002&lng=pt&nrm=iso

Mello, A. M., & Araújo, C. A. (2013). Velhice e espiritualidade na perspectiva da Psicologia Analítica. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 33 (84), 118-141. Recuperado de www.redalyc.org/pdf/946/94632386011.pdf

Moura, M. R. S. (2016). Trajetórias e fatores associados à qualidade de vida de mães de recém-nascidos pré-termos de muito baixo peso até três anos após o parto (Tese de doutorado). Universidade Federal de Uberlândia. Minas Gerais, MG. Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17778

Moreira-Almeida, A., & Lucchetti, G. (2016). Panorama das pesquisas em ciência, saúde e espiritualidade. Ciência e Cultura, 68(1), 54-57. Recuperado de cienciaecultura.bvs.br/scielo.php arttext&pid=S0009-67252016000100016. doi: 10.21800/231766602016000100016

Oliveira, C., Nunes, M. F. O., Legal, E. J., & Noronha, A. P.P. (2016). Bem-Estar Subjetivo: estudo de correlação com as Forças de Caráter. Avaliação Psicológica, 15(2), 177-185. Recuperado de pepsic.bvsalud.org/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S1677-0471201600020 0007&lng=pt&tlng=. doi: 10.15689/ap.2016.1502.06

Oliveira, L. L., Gonçalves, A. C., Costa, J. S. D., Bonilha, A.

L. L. Fatores maternos e neonatais relacionados à prematuridade (2016). Revista da Escola de Enfermagem da USP. 50(3), 382-389. Recuperado de www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080- 62342016000300382&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. doi: 10.1590/S0080-623420160000400002

Oliveira, N. A., Souza, E. N., Luchesi, B. M., Inouye, K., & Pavarini, S. C. I. (2017). Estresse e otimismo de idosos cuidadores de idosos que residem com crianças. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(4), 730-6. Recuperado de www.scielo.br/pdf/reben/v70n4/pt_0034-7167-reben-70-04-0697.pdf. doi: 10.1590/0034-7167-2017-0088

Otto, R. (2007). O Sagrado. (3a ed.). Petrópolis: Vozes.

Park, N., Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Strengths of character and well-being. Journal of Social and Clinical Psychology, 23(5), 603-619. Recuperado

de https://pdfs.semanticscholar.org/0918/ c0f8c5a88398ca82653ebf5faf5fe263fb7b.pdf.doi: 10.1521/ jscp.23.5.603.50748

Pinto, Cândida, & Pais-Ribeiro, José Luís. (2007). Construção de uma escala de avaliação da espiritualidade em contextos de saúde. Arquivos de Medicina, 21(2), 47-53. Recuperado de www.scielo.mec.pt/scielo.php arttext&pid=S0871-34132007000200002&lng=pt&tlng=pt

Rava, P. G. S. (2014). Sentimento de gratidão na infância: algumas considerações teóricas. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(2), 376-389. Recuperado de www.scielo.br scielo.php?pid=S1414-98932014000200009&script=sci_ abstract&tlng=pt. doi: 10.1590/1982-3703000212013

Reis, L. A., & Menezes, T. M. O. (2017). Religiosidade e espiritualidade nas estratégias de resiliência do idoso longevo no cotidiano. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(4), 794-9. Recuperado de www.scielo.br/pdf/ reben/v70n4/pt_0034-7167-reben-70-04-0761.pdf. doi: 10.1590/0034-7167-2016-0630

Roese, A. (2011). Sofrimento espiritual, busca de sentido e espiritualidade. Revista Pistis Práxis, 3(2), 333-359. Recuperado de https://periodicos.pucpr.br/index.php/ pistispraxis/article/view/13196. doi: 10.7213/pp.v3i2.13196

Roncallo, P. C. A., Miguel, S. M., & Freijo, E. A. (2015). Vínculo materno-fetal: implicaciones em el desarrollo psicológico y propuesta de intervención en atención temprana.

Revista Escritos de Psicologia, 8(2),14-234. Recuperado de scielo.isciii.es/scielo.php. doi: 10.5231/psy. writ.2015.0706

Straub, R. O. (2014). Estresse e Saúde. In Psicologia da saúde: uma abordagem biopsicossocial. Artmed.

Vieira, J. F., Farias, M. F., Santos, J. L. Davim, R. B. & Silva. R. R. (2015). Experiences of mothers of premature infants in the context of spirituality. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental, 7(4), 3206-3215. Recuperado de: https:// www.researchgate.net/publication/283852941_ Experiences_of_mothers_of_premature_infants_in_the_ context_of_spirituality. doi: 10.9789/2175-5361.2015. v7i4.3206-3215

Vilhena, E., Pais-Ribeiro, J., Silva, I., Pedro, L., Meneses, R. F., Cardoso, H., ... Mendonça, D. (2014). O papel do otimismo na qualidade de vida de pessoas portuguesas com doenças crônicas: moderador / mediador? Revista da Associação Médica,60(4),373-380. Recuperado de www.scielo.br/pdf/ramb/v60n4/0104-4230-

ramb-60-04-0373.pdf. doi: 10.1590/1806-9282.60.04.017

Compartilhe

Saiba Mais