podcast do isaúde brasil

Publicada em 20/06/2020 às 06h53. Atualizada em 20/06/2020 às 07h15

Ivermectina: o milagre da COVID-19?

Saiba como age este fármaco, suas indicações e conheça estudo realizado no combate à COVID-19.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

A Cloroquina e a Ivermectina vêm ganhando uma notoriedade inesperada desde que a pandemia pelo novo coronavírus desencadeou a incessante busca pela terapia eficaz e segura contra a COVID-19. Isso gerou a publicação de inúmeros estudos e uma enxurrada de informações disponíveis nos diversos meios de comunicação.  A interpretação dessas informações e o medo da população provocados por essa nova doença promoveram a compra desenfreada desses medicamentos e estimularam a automedicação, criando uma situação alarmante no contexto da saúde pública.

Quem é o fármaco ivermectina?

A Ivermectina foi descoberta em 1975, a partir de amostras do solo de um campo de golfe, onde foram observadas substâncias antiparasitárias produzidas pela bactéria Streptomyces avermitilis. Inicialmente, essas substâncias foram denominadas de avermectinas e mais tarde de Ivermectina.

A Ivermectina (IVM) é um dos medicamentos antiparasitários de amplo espectro mais conhecido e utilizado pela medicina humana e veterinária, sob aprovação do Food and Drug Administration (FDA) para uso em infecções causadas por artrópodes (insetos, piolhos e carrapatos) e vermes (nematódeos). Além disso, tem mostrado ação antiviral através da inibição de proteína integrasse e de importinas (Impa / B1), que são responsáveis pelo transporte nuclear. Desta maneira, a inibição da Impa / B1 dificulta o transporte de proteínas virais entre o núcleo e o citoplasma do hospedeiro. Resultados satisfatórios com o uso deste medicamento em vírus DNA e RNA foram observados através de estudos in vitro, quando o fármaco foi exposto a células infectadas pelo vírus HIV, do Nilo ocidental, da encefalite equina venezuelana, da influenza, da dengue e da pseudo-raiva. Portanto, justifica-se a realização de estudos in vivo para análise dos possíveis benefícios do referido medicamento sobre infecções virais de diversas origens.

Ivermectina x Covid-19

O SARS-CoV-2 trata-se de um vírus RNA de fita simples, sendo diretamente relacionado à síndrome respiratória aguda grave e o grande responsável pela pandemia da COVID-19. Para que ocorra o processo de infecção, este vírus necessita da importina Impa / B1. Por este motivo, estudos da IVM sobre o SARS-CoV-2 estão sendo realizados, com o objetivo de demostrar o mecanismo de ação deste agente farmacológico sobre o vírus, além de se obter possíveis informações sobre a toxicidade e a dose recomendada. 

No estudo pioneiro in vitro de Caly et al. (2020), foi demonstrado que células infectadas pelo novo coronavírus tiveram uma redução de 93% da replicação viral em 24 horas e redução completa da carga viral após 48 horas, quando expostas à IVM. Esse resultado sugere que a atividade inibidora do transporte nuclear da IVM foi eficaz contra SARS-CoV-2.

Os primeiros resultados são animadores, especialmente por ser um fármaco de fácil acesso, baixo custo, boa tolerabilidade e favorável perfil de segurança. Entretanto, como qualquer outro medicamento, não é inócuo e apresenta contraindicações, que incluem o emprego em crianças menores de 5 anos e em indivíduos com afecções do sistema nervoso central que possam afetar a barreira hematoencefálica. 

Já foi comprovado que o SARS-CoV-2 pode provocar o aumento da permeabilidade hematoencefálica pela resposta inflamatória exacerbada e, nessas condições, o potencial neurotóxico da ivermectina deve ser considerado. Aliado a este fato, não se sabe ao certo a dose que é capaz de inibir a replicação viral sem promover toxicidade, se o uso preventivo é capaz também de reduzir a chance de uma infecção grave ou se a sua utilização apresenta indicação para todos os pacientes que venham apresentar sinais e sintomas da COVID-19, dos mais leves aos mais graves.

"... a automedicação através do empirismo ou “achismo” não deve acontecer por parte da população, pois há uma linha divisória tênue entre a dose recomendada e a dose capaz de causar danos, e cada ser é único e precisa ser avaliado de forma individual por um profissional habilitado."

Portanto, são necessários estudos mais robustos, com aplicação deste agente em seres humanos através de controle rigoroso, para melhor esclarecer a aplicabilidade clínica deste fármaco. Ademais, a automedicação através do empirismo ou “achismo” não deve acontecer por parte da população, pois há uma linha divisória tênue entre a dose recomendada e a dose capaz de causar danos, e cada ser é único e precisa ser avaliado de forma individual por um profissional habilitado. Por isso, é imprescindível procurar um profissional médico para maiores esclarecimentos acerca das possíveis modalidades terapêuticas empregadas para a COVID-19.

Referências:

Laing, R., Gillan, V., & Devaney, E. (2017). Ivermectin – Old Drug, New Tricks? Trends in Parasitology, 33(6), 463–472. doi:10.1016/j.pt.2017.02.004 

Caly, L., Druce, J. D., Catton, M. G., Jans, D. A., & Wagstaff, K. M. (2020). The FDA-approved Drug Ivermectin inhibits the replication of SARS-CoV-2 in vitro. Antiviral Research, 104787. doi:10.1016/j.antiviral.2020.104787

Mao, L., Jin, H., Wang, M., Hu, Y., Chen, S., He, Q., Hu, B. (2020). Neurologic Manifestations of Hospitalized Patients With Coronavirus Disease 2019 in Wuhan, China. JAMA Neurology. doi:10.1001/jamaneurol.2020.1127 

Wagstaff, K. M., Sivakumaran, H., Heaton, S. M., Harrich, D., & Jans, D. A. (2012). Ivermectin is a specific inhibitor of importin a/B-mediated nuclear import able to inhibit replication of HIV-1 and dengue virus. Biochemical Journal, 443(3), 851–856. doi:10.1042/bj20120150

CENTROS DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS. NOTA TÉCNICA INFORMATIVA Nº 03/2020. [S. l.], 20 abr. 2020. Disponível em: http://cimufslag.ufs.br/conteudo/65190-notatecnicaivermectina-na-covid-19 Acesso em 08 de junho de 2020.

FDA. FDA Letter to Stakeholders: Do Not Use Ivermectin Intended for Animals as Treatment for COVID-19 in Humans. 2020. Disponível em: encurtador.com.br/ceDPX Acesso em: 10 Jun. 2020.

Compartilhe

Saiba Mais