podcast do isaúde brasil

Publicada em 27/01/2020 às 13h04. Atualizada em 27/01/2020 às 13h38

Ninfomania todo mundo sabe o que é. Mas em satiríase ou donjuanismo, você já ouviu falar?

Conheça o distúrbio psicológico sexual que acomete também os homens.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Tanto a ninfomania quanto a satiríase ou donjuanismo se caracterizam pelo desejo sexual exagerado, sem nenhuma causa orgânica. Ambos são considerados um transtorno psíquico caracterizado por um comportamento compulsivo. Tecnicamente falando, ninfomania se refere à mulher e a satiríase ou "donjuanismo" ao homem. Tanto o homem como a mulher que apresentam esse transtorno não conseguem se satisfazer sexualmente em um ato sexual, por isso busca de maneira compulsiva essa satisfação, por meio de várias relações sexuais, vivenciando sentimentos de arrependimento, de culpa, de angústia e também de ansiedade. "É interessante destacar que a mulher ninfomaníaca pode ter compulsão por afeto, com múltiplos parceiros, e não apenas a compulsão por sexo. Ter relacionamentos afetivos pode se tornar uma fonte de alívio momentâneo para a mulher que tem ninfomania", explica a psicóloga e sexóloga pernambucana Silvana Melo nesta esclarecedora entrevista ao iSaúde Brasil. Confira.

iSaúde - No que consiste exatamente a satiríase? 

Silvana Melo - O termo satiríase vem de "sátiros", seres mitológicos, masculinos, da Grécia Antiga. Eles tinham corpo de carneiro, cabeça de homem e apresentavam grande potência sexual. Assim, a satiríase é um transtorno psíquico que tem como característica um excesso de apetite sexual ou desejo sexual compulsivo nos homens, sem que haja nenhum tipo de alteração biológica, nem nos níveis de hormônios sexuais, que justifique esse comportamento.

iSaúde - Ela não se confunde com o comportamento típico da cultura masculina, da conquista sexual? Como saber a diferença? 

Silvana Melo - Apesar de o homem ser estimulado culturalmente a ser viril, ter uma alta frequência sexual e muitas parceiras, existe sim uma diferença. A satiríase é um transtorno psíquico em que o homem apresenta uma compulsão sexual. Podemos dizer que é um tipo de vício, com sintomas obsessivos e compulsivos, por isso interfere negativamente no trabalho, nas tarefas diárias e nos relacionamentos, trazendo prejuízo não só para a rotina como para toda a vida desse homem. Geralmente, ocorre um excesso de masturbação, várias vezes ao dia, relações sexuais compulsivas, uso de pornografia e de objetos sexuais com muita frequência. Ele não sente satisfação na relação sexual, por isso repete compulsivamente, buscando incessantemente esse prazer com várias parceiras. Logo após a relação, ele se sente culpado e angustiado, e, por isso, repete todo o ciclo novamente: relação sexual, culpa, arrependimento e angústia, podendo chegar até mesmo a ter uma depressão.

iSaúde - Como uma vítima de um homem que tem esse comportamento pode identificar essa realidade? 

Silvana Melo - O homem que apresenta satiríase normalmente se sente culpado, arrependido e envergonhado; portanto, é extremamente comum que ele tente esconder esse vício. Por isso, não é tão fácil para a pessoa que se relaciona com esse homem reconhecer esse transtorno, principalmente no início dos sintomas. Além disso, o envolvimento emocional dificulta enxergar claramente o comportamento compulsivo típico da satiríase, que também é conhecida como "donjuanismo". Os principais comportamentos dessa síndrome são: o egocentrismo exagerado, a busca do prazer acima de tudo, a conquista desafiadora (quanto mais difícil, melhor), a busca por seduzir também todos ao seu redor, a falta de preocupação com os sentimentos alheios, a mudança repentina na forma de tratar aquela pessoa que estava inicialmente seduzindo, o modo de tratar as pessoas como se fossem descartáveis. Então, por tudo isso, para a vítima reconhecer essas características, ela precisa usar a razão – algo extremamente desafiador para quem está envolvido emocionalmente.

Leia a segunda parte da entrevista: Comportamento de “garanhão” pode indicar transtorno psicológico

Compartilhe

Saiba Mais