podcast do isaúde brasil

Publicada em 09/12/2019 às 10h46. Atualizada em 12/12/2019 às 16h11

Avulsão dentária: o que fazer quando se perde um dente por trauma?

A perda dentária no período de formação da infância podem ocasionar outros problemas como danos psicológicos e desvios de comportamento. Saiba mais sobre os tratamentos nestes casos.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"A perda ou fratura dos dentes, em especial os anteriores, provoca, no paciente, um grande impacto emocional, ocasionando problemas psicológicos e desvios de comportamento..."

Os traumatismos dentários são predominantes em crianças e jovens em idade escolar. Podem ocorrer em consequência de queda da própria altura ou de algum brinquedo, atropelamento, acidente automobilístico ou motociclístico, agressão e práticas esportivas. A perda ou fratura dos dentes, em especial os anteriores, provoca, no paciente, um grande impacto emocional, ocasionando problemas psicológicos e desvios de comportamento que podem ser representados por angústia e medo, desencadeados pela ameaça à estética facial. 

O tratamento para traumas maiores e mais graves torna-se multidisciplinar. A equipe pode ser composta por oftalmologista, cirurgião plástico, cirurgião bucomaxilofacial, odontopediatra e neurocirurgião. Quando o trauma é restrito aos dentes e às estruturas da boca, cabe a procura, com urgência, ao consultório odontológico.

Dentre as lesões que podem acometer os dentes, a avulsão dentária aparece com prevalência que varia de 0.5 a 16%. Caracteriza-se pelo total deslocamento do dente para fora do seu alvéolo, ou seja, a saída do dente por completo da boca, com a manutenção de todos os seus tecidos de suporte.

 

A maior incidência das avulsões está associada aos incisivos centrais superiores (dentes centrais), em crianças de 7 a 12 anos de idade, em razão tanto das atividades da infância e da adolescência, que a exposição aos traumas dentais, como da fase de desenvolvimento dos tecidos dentários e de suporte que também favorecerem tal evento. Segundo a literatura, os meninos tendem a sofrer traumas em boca aproximadamente duas vezes mais do que as meninas.

No caso de um acidente dessa natureza, alguns cuidados devem ser tomados. O tempo será um fator crucial na recuperação do dente.  Estudos mostram que o tratamento dentro dos primeiros 30 minutos após o trauma é que apresenta o melhor resultado.

Dentes permanentes perdidos durante acidentes devem ser sempre procurados pelas vítimas ou seus acompanhantes. Quando o dente não é reposicionado e reimplantado no momento da avulsão, manobra indicada apenas para profissionais da área odontológica, por serem profissionais que têm o conhecimento da anatomia dental e craniofacial, o paciente é orientado a armazenar a unidade dentária em meio apropriado e seguir imediatamente para o consultório odontológico para realizar a tentativa do tratamento de reimplante dentário.

A forma de armazenamento do dente é importante já que ela pode minimizar a resposta inflamatória pós-reimplante, evitar o ressecamento do dente avulsionado e manter por mais tempo a viabilidade das células do ligamento periodontal, favorecendo as chances de reparo. O meio de armazenamento ideal deve ter aproximadamente pH de 7.0, osmolaridade fisiológica e conter substâncias nutritivas, como aminoácidos, vitaminas e proteínas que permitam o crescimento celular e a manutenção de sua vitalidade. Os meios de armazenamento que mantém por maior tempo a viabilidade das células do ligamento periodontal (tecido vivo ao redor do dente) são a Solução Salina Balanceada de Hank`s (HBSS), que é uma solução-padrão de soro fisiológico utilizada na cultura de diversos tipos de células e mantém as células vitais por 24 horas assim como o ViaSpan®, que foi desenvolvido para armazenagem a frio de órgãos durante transplantes. Porém, por esses se tratarem de meios de difícil acesso e alto custo, o leite líquido tem mostrado ser a melhor alternativa, porque sua osmolaridade e pH estão numa escala biológica aceitável. Estudos mostram que leites, pasteurizados e longa vida, são mais efetivos que o HBSS na manutenção da viabilidade das células do ligamento periodontal, no período de até 8 horas.

A clara de ovo mostrou ser um meio de armazenamento promissor, uma vez que estudos mostram que não há diferença em manutenção da viabilidade das células do ligamento periodontal entre clara de ovo e HBSS em tempos de armazenamento que variam de uma a 12 horas. Alguns pesquisadores têm sugerido também a água de coco como meio viável para transporte, porém tem substâncias que ainda apresentam poucos estudos na área odontológica.

Por vezes, a água de torneira e a saliva podem ser os únicos meios disponíveis para armazenamento do dente no local de um trauma, porém a saliva por ser um meio contaminado e ligeiramente hipotônico não é considerado um meio recomendado, pois pode favorecer a penetração bacteriana pelas prováveis microfissuras existentes na superfície dentária, permitindo a contaminação bacteriana pulpar e o estabelecimento da reabsorção radicular externa inflamatória. Dessa forma, o dente não deve permanecer mais do que 30 minutos nesse meio. A água deve ser a última alternativa de meio de armazenamento, uma vez que, embora proteja o dente da desidratação, é considerada como meio hipotônico, o que provoca a morte das células do ligamento, sendo semelhante ao armazenamento a seco (envolto em guardanapos, tecidos etc.), o qual deve ser evitado a todo o custo.

Ao chegar ao consultório odontológico, o cirurgião-dentista irá avaliar o paciente e o dente avulsionado, levando em consideração o tempo de ocorrência do trauma, o local e a forma de armazenamento da unidade, assim como o grau de desenvolvimento dentário, dentre outros aspectos, para então estabelecer a conduta terapêutica de acordo com protocolos já estabelecidos na literatura, como o da Associação Internacional de Traumatologia Dental (IADT). Então, a necessidade de tratamento da superfície do dente, o momento da realização do tratamento endodôntico (canal) e o método de fixação do dente irão depender da peculiaridade de cada caso.

A tentativa do reimplante de dentes avulsionados consiste em um tratamento conservador e de baixo custo que é uma boa alternativa quando se trata de dentes permanentes.

Referências:

1. Rodrigues TLC, Rodrigues FG, Rocha JF. Avulsão dentária: proposta de tratamento e revisão da literatura. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2010; 22(2): 147- 53.

2. Victorino FR; Gottardo VD; Zadetto Jr R; Moreschi E; Zamponi M; Trento CL. Reimplante dentário para o tratamento de Avulsão Dentária. Rev assoc paul cir dent 2013;67(3):202-6.

3. Wulkan M, Parreira Jr JG, Botter DA. Epidemiologia do trauma facial Rev Assoc Med Bras 2005; 51(5): 290-5.

4. Sayão MaiaSMA, Travassos RMC, Mariz EB, Macêdo SM, Alencar TA. Conduta clínica do cirurgião-dentista ante a avulsão dental: Revisão de literatura. RSBO 2006; 3:41-7.

5. Pearson RM, Liewehr FR, West LA, Patton WR, McPherson JC 3rd, Runner RR. Human periodontal ligament cell viability in milk and milk substitutes. J Endod. 2003; 29(3):184-6.

6. Flores FW, Flores JA, Diesel PG, Bianchini AG, Bevilacqua WB. Storage media for avulsed teeth - A literature review. Saúde (Santa Maria), Suplemento - Artigos de revisão. 2016; 73-80.

7. Souza BDM, Luckemeyer DD, Felippe WT, Simões CM, Felippe MC. Effect of temperature and storage media on human periodontal ligament fibroblast viability. DentTraumatol. 2010; 26:271-5.

8. Blomlof L, Lindskog S, Hammarstrom L. Periodontal healing of exarticulated monkey teeth stored in milk or saliva. Scand J Dent Res. 1981; 89(3)251-9.

Compartilhe

Saiba Mais