podcast do isaúde brasil

Publicada em 11/08/2011 às 12h23. Atualizada em 11/08/2011 às 19h06

Oncologista clínica explica o tipo de câncer do ator Reynaldo Gianecchini

A notícia divulgada na mídia, na última quarta-feira, que o ator foi diagnosticado com linfoma causou grande curiosidade sobre esta doença. Mas o que é o linfoma?

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"A doença afeta mais homens do que mulheres, sendo mais frequente na faixa etária acima dos 55 anos".

Linfoma é um tipo de câncer do sistema linfático que age na defesa do organismo. Ele não é uma entidade única, podendo  ser dividido em dois grandes grupos:  Hodgkin ou não Hodgkin. Dentro desta classificação, ainda encontramos diversos subtipos com características, incidência e prognóstico (expectativa do desenvolvimento da doença) distintos.
O linfoma não Hodgkin, como o de Gianecchini, e o da presidenta Dilma Roussef, diagnosticado em 2009, é o mais comum, correspondendo a cerca de 90% dos casos de linfoma.  Pode ser do tipo indolente, com crescimento lento mais comum em pacientes mais idosos ou agressivo, com crescimento rápido.

A doença afeta mais homens do que mulheres, sendo mais frequente na faixa etária acima dos 55 anos. Os fatores de risco para o linfoma incluem deficiência no sistema imunológico provocadas por doenças genéticas ou por vírus como o HIV, além de exposição a agentes químicos e a altas doses de radiação.

Os principais sintomas são a presença de gânglios aumentados nas axilas, virilha ou região do pescoço, sudorese noturna em excesso, perda de peso sem causa aparente e febre.  O diagnóstico é feito através de biópsia com retirada de tecidos para estudo anátomo patológico (forma e gravidade) e classificação do tipo de linfoma, além de exames de imagem para identificação do estágio da doença, ou seja, se é inicial ou avançado.

O tratamento varia de acordo com o tipo de linfoma diagnosticado desde a observação clínica, no caso de linfomas indolentes, até tratamentos mais agressivos com quimioterapia e radioterapia. Mais recentemente, a imunoterapia também tem sido usada no tratamento de alguns tipos de linfoma.  O prognóstico dos pacientes varia muito e depende do tipo de linfoma e do estágio em que foi diagnosticado, além do índice de prognóstico - tabela que leva em consideração características do paciente  como, por exemplo, a idade para tentar definir o risco e uma possível evolução da doença.

Veja a notícia:

Compartilhe

Saiba Mais