podcast do isaúde brasil

Publicada em 04/07/2011 às 07h27. Atualizada em 13/07/2011 às 20h24

Entenda o que é e como evitar a Infecção Hospitalar

Gerada por microorganismos, a infecção hospitalar pode ser evitada adotando-se mínimos hábitos de higiene.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"Pessoas que passaram por procedimentos invasivos como cirurgias, cateterismo, exames radiológicos com utilização de contraste, retirada de pequenas lesões de pele, retirada de nódulos de mama e entubação podem estar sujeitas a contrair infecção".

Estar internado em um hospital pode dar uma sensação de segurança ao paciente. Em tese, lá, ele está cercado de profissionais preparados para atendê-lo e ajudar em sua recuperação. Porém, um hospital é um lugar cheio de agentes invisíveis como bactérias, vírus e fungos que podem complicar o processo de cura. Elas causam infecções que podem atingir diversas partes do corpo, como o aparelho respiratório, urinário ou digestivo, especialmente em pacientes que já se encontram debilitados imunologicamente.

Esse tipo de  doença adquirida durante a hospitalização é conhecida como infecção hospitalar e pode até levar o paciente à morte. Embora no Brasil não existam números e estatísticas consolidados, esse é um problema mais comum do que se pensa.

As infecções hospitalares podem ser contraídas em praticamente todas as entidades de assistência à saúde, podem ser transferidas entre as organizações ou introduzidas pela comunidade nas instalações hospitalares. Entre os sinais e sintomas que decorrem da multiplicação desses organismos no corpo, estão febre, dor no local afetado e debilidade. O diagnóstico definitivo é feito por meio de exames laboratoriais.

Pessoas que passaram por procedimentos invasivos como cirurgias, cateterismo, exames radiológicos com utilização de contraste, retirada de pequenas lesões de pele, retirada de nódulos de mama e entubação podem estar sujeitas a contrair infecção. Também correm risco maior crianças e idosos, portadores de diabetes, pacientes com o sistema imunológico deprimido ou que usaram antibióticos durante um longo período.

Ocorre que os antibióticos usados em diversos tratamentos, ou mesmo quimioterápicos, acabam por eliminar também os micro-organismos que são benéficos para as pessoas, como os da flora intestinal, por exemplo. Isso deixa o corpo sem muitas das suas defesas e  libera o terreno para a proliferação de micróbios nocivos. Estes, que sobrevivem aos medicamentos cada vez mais fortes, são também os mais resistentes. Isso dificulta o tratamento, que dura de 14 a 30 dias, pois restam poucos antibióticos que podem eliminá-los.

Muitas vezes esses micro-organismos são levados ao paciente por visitas que podem estar gripadas ou portadoras de alguma infecção pouco grave, como um furúnculo ou diarreia. Isso representa um grande risco para o paciente hospitalizado. E mesmo que essa visita ou acompanhante não esteja doente, suas mãos estão cheias de germes que podem causar uma infecção.

"Também é importante não tossir, espirrar, sentar na cama dos pacientes ou realizar atividades cotidianas como comer, beber, fumar, aplicar cosméticos, usar pomadas labiais ou manusear lentes de contato em áreas com potencial de exposição ao sangue ou a fluidos corporais. 


Para evitar as infecções hospitalares, visitantes e acompanhantes precisam lavar bem as mãos com água e sabão, ou usar álcool gel, para não servirem de veículos para a contaminação. Essa é uma adotada desde o século XIX, a partir dos estudos de Semmelweiss, considerado o pai do controle das infecções hospitalares. Infelizmente, esse hábito de higiene continua a ser negligenciado.
 
Também é importante não tossir, espirrar, sentar na cama dos pacientes ou realizar atividades cotidianas como comer, beber, fumar, aplicar cosméticos, usar pomadas labiais ou manusear lentes de contato em áreas com potencial de exposição ao sangue ou a fluidos corporais. Para os profissionais, médicos, enfermeiros e técnicos, que vão ter contato com os doentes, são recomendados hábitos como o uso de luvas, para evitar contato com fluidos corporais, com mucosas, objetos e dispositivos contaminados. É preciso também usar máscara facial, óculos de proteção e aventais.

Então, todo mínimo cuidado é muito importante!

Compartilhe