podcast do isaúde brasil

Publicada em 08/01/2014 às 00h00. Atualizada em 08/01/2014 às 08h32

O que fazer quando a timidez vira doença?

Não confunda timidez com fobia social. Muitas vezes o que é apenas um traço de personalidade acaba sendo confundido com uma patologia. Saiba mais.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Nesta entrevista, a psicóloga Flávia Santiago nos explica o que é a fobia social, quais são suas causas e possíveis complicações, como o uso das redes sociais virtuais pode afetá-la e em que consiste o tratamento aplicado.

iSaúde Bahia  - O que indica que a timidez já configura um quadro patológico? 

Flávia Santiago - A timidez é um traço da personalidade da pessoa. O tímido aprende a conviver com a inibição sem que isto prejudique sua vida. Quando situações rotineiras geram muito sofrimento e passam a ser evitadas, o tratamento deve ser iniciado.

iSB  - O que é a fobia social?

"A fobia social, também conhecida como transtorno de ansiedade social é caracterizada pelo medo excessivo de situações sociais onde o sujeito precisa se expor em público, como falar, escrever, comer..."

Flávia Santiago - A fobia social, também conhecida como transtorno de ansiedade social é caracterizada pelo medo excessivo de situações sociais onde o sujeito precisa se expor em público, como falar, escrever, comer... O fóbico teme se comportar de maneira inadequada, ser humilhado, reprovado, criticado e rejeitado. As situações sociais são evitadas ou enfrentadas com intensa ansiedade e sofrimento. A fobia social é responsável por importantes prejuízos sociais, ocupacionais e familiares.

iSB - Quais sinais físicos alguém pode apresentar quando sofre de alguma doença associada à timidez?

Flávia Santiago - Ansiedade, sudorese, taquicardia, tensão muscular, tremor, boca seca, respiração ofegante ou falta de ar, dor de barriga, rubor facial, voz trêmula, mãos frias.

iSB - Há a possibilidade de esse problema gerar um quadro de depressão?

Flávia Santiago - Sim. A comorbidade mais relacionada à fobia social é a depressão. Pessoas que sofrem de fobia social tendem ao isolamento, pois evitam situações, restringindo assim suas atividades cotidianas, comprometendo o convívio social. O sentimento de inferioridade, insegurança e baixa autoestima reforçam o isolamento, facilitando a instalação de um quadro depressivo.

iSB – A genética pode ser uma causa desse problema? Fora isso, quais as outras possíveis causas e fatores de risco?

Flávia Santiago - Existe uma predisposição genética, um hiperfuncionamento da amígdala, área do cérebro responsável pelo condicionamento do medo. É a amígdala que sinaliza para o cérebro que existe uma situação de perigo. Entretanto, as causas genéticas correspondem a apenas 30% dos casos. Outras causas do transtorno são mais preponderantes e estão relacionadas ao modelo familiar no qual a pessoa se desenvolveu. Indivíduos que cresceram em um ambiente de superproteção, autoritarismo e rejeição estão mais predispostos a desenvolverem a fobia social.

"Indivíduos que cresceram em um ambiente de superproteção, autoritarismo e rejeição estão mais predispostos a desenvolverem a fobia social".

iSB - Pode comentar um pouco sobre a possibilidade de o tímido agravar seu problema ao tender a substituir as relações face a face pelas relações vividas através das redes sociais da internet?

Flávia Santiago - As redes sociais facilitam o estabelecimento de vínculos, a troca de informações e, por ser um meio virtual, possibilita vencer algumas barreiras da timidez, como, por exemplo, o contato presencial. O mundo virtual pode auxiliar na diminuição do medo da reprovação e do julgamento, tão presentes nos fóbicos sociais. No entanto, relacionar-se apenas no meio virtual pode agravar o quadro, pois contribui com o isolamento. De maneira prejudicial, as redes podem acabar sendo utilizadas como uma fuga, mas elas não podem substituir as relações no mundo real.

iSB – Como é o tratamento aplicado pelos psicólogos/psiquiatras e que tipo de melhora é possível alcançar?

Flávia Santiago - A psicoterapia vai auxiliar o indivíduo a identificar seus sintomas de ansiedade, reconhecer situações ansiogências e desenvolver um plano para enfrentar situações difíceis. Em paralelo, o psicólogo, juntamente com o paciente, vai buscar compreender o que está por trás dos medos, investigando o seu início e a relação com situações vividas anteriormente. O processo psicoterapêutico também vai possibilitar que o paciente tenha percepções mais realistas acerca de si e do mundo. 

Em casos mais graves de fobia social, o tratamento psicoterápico é associado ao tratamento farmacológico. Os antidepressivos são os medicamentos mais utilizados para a fobia; estes vão atuar na redução dos sintomas de ansiedade, possibilitando maior enfrentamento de situações aversivas. Todavia, a psicoterapia é a base do tratamento para a fobia social, pois vai ajudar o paciente a vencer seus medos.

iSB  –Existe uma estatística mundial e nacional de pessoas que sofrem de fobia social ou timidez patológica?

Flávia Santiago - A prevalência da fobia social é maior em adolescentes, com início na infância. Estudos brasileiros apontam que 3,7% dos adolescentes apresentam fobia social.

Compartilhe
Serviços Gratuitos
  • SEPSI - Serviço de Psicologia
    Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
    Tel.: (71)3276-8259
    Av. Dom João VI, nº 275, Brotas, Salvador, Bahia CEP: 40290-000
  • NEPPSI - Núcleo De Estudos E Práticas Psicológicas
    Universidade Salvador
    Tel.: (71) 3330-4612 / 4662
    Rua Ponciano de Oliveira, 126, Rio Vermelho, Salvador, Bahia, CEP 41.950-275
  • NAPSI – Núcleo de Atendimento Psicológico
    Tel.: 3247-5020
    Rua Ademar de Barros, Nº 343 – Ed. Julio Call, S/108 - Ondina, Salvador, Bahia