podcast do isaúde brasil

Publicada em 03/03/2015 às 15h36. Atualizada em 06/03/2015 às 09h07

Por que devemos comer mais saladas e frutas?

Como é a sua alimentação? Veja porque a ingestão de verduras, legumes e frutas são importantes para a alimentação e algumas dicas de como manter a forma.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

A Organização Mundial de Saúde recomenda que o consumo aproximado de 4 a 5 porções de legumes e verduras e 3 a 5 porções de frutas por dia para um adulto saudável.

As saladas são compostas por legumes e hortaliças, geralmente, crus ou cozidos, os quais são fontes de micronutrientes: as vitaminas e minerais, além disso, contêm bom aporte de fibras, o que enriquece a alimentação em termos de sais minerais essenciais às reações do organismo como zinco, magnésio, sódio, potássio, ferro e, ainda, em vitaminas como as vitamina A e C, abundantes nesses tipos de alimentos e fundamentais para nutrição do corpo, funcionamento dos órgãos e sistema imune, por exemplo.

As frutas, além de vitaminas e minerais em abundância (cada espécie sendo fonte e veículo especialmente de alguns deles), contêm fibras importantes para o metabolismo do colesterol no organismo e a regulação do trânsito intestinal humano. Contam com importante quantidade de água, sendo essenciais para completar uma alimentação adequada, variada, colorida e mais natural.

"As frutas, além de vitaminas e minerais em abundância (cada espécie sendo fonte e veículo especialmente de alguns deles), contêm fibras importantes para o metabolismo do colesterol no organismo e a regulação do trânsito intestinal humano. "

 

Em uma dieta, de que forma podemos substituir refeições exageradas por moderadas? Como "enganar o cérebro", nesse ponto?

A proposta é exatamente não “enganar” o cérebro, mas sim, a partir da reeducação alimentar, possibilitar a compreensão de que algum alimento ou refeição é mais adequada que outras e mais próprias às necessidades de cada organismo. Vale raciocinar a real necessidade da escolha pelo que vai comer, a quantidade e a forma e, então, preferir talvez um lanche mais natural com itens integrais e frutas in natura, do que um lanche industrializado com algo preparado artificialmente, repleto de aditivos químicos, geralmente submetido a métodos calóricos de preparo, como salgadinhos em frituras e bebidas artificiais como os refrigerantes ou sucos, sempre com excesso de açúcar ou mesmo sódio, adoçantes e conservantes.

Para refeições, geralmente exageradas, aqueles que têm hábito de fazê-las, após a reeducação alimentar, é importante saber reorganizar também o prato da refeição: iniciar pela salada, na montagem do prato, pois, além da importância já discutida, ela dá mais saciedade e o consumo de maiores quantidades de alimento do que o necessário na refeição. Vale a pena também verificar o tamanho do prato em que se está sendo realizada a refeição, pois, muitas vezes, perde-se a noção de quantidade com pratos maiores e a tendência é sempre preenchê-lo, seja qual for o item, e, então, come-se mais.

Algumas dicas:

- Almoço em um buffet todos os dias. Por que devo primeiro observar as opções, antes de ir para a fila?

A dica é observar o buffet antes de fazer o prato, pois, muitas vezes, agimos compulsivamente e, ao invés de formar um prato numa composição adequada,  em que temos o prato cárneo, como a fonte proteica, salada, dois acompanhamentos como feijão e arroz, por exemplo, e alguma guarnição, pode-se ir montando o prato (e diante dos enormes e buffets comerciais atuais, nos quais o cardápio é totalmente globalizado, da feijoada ao sushi numa mesma “rampa de distribuição”), preenche-lo com quantidades maiores do que o suficiente.

- Por que devemos fazer nossas refeições em pratos pequenos (evitar o prato grande)?

A tendência é sempre preencher o prato por completo, então, quanto maior o prato maior a quantidade de alimentos que tendemos a colocar para a refeição. É recomendada a utilização de pratos pequenos que ajudam a colocar porções menores e, por exemplo, melhor dividir os itens da refeição (entrada, refeição principal etc.), controlando melhor a ingestão e educando o paladar.

- É verdade que as colheres grandes nos influenciam a comer mais?

Sim. De certa forma com uma colher de servir maior, a mesma comparação feita ao prato maior se aplica. Quanto maior a colher, na hora de servir, maior a tendência em colocar uma quantidade que a preencha. Para não “desperdiçar” o colocado, tendemos a comer mais.

- Por que os nutricionistas desaconselham a fazer refeições assistindo TV?

Ao assistir televisão durante as refeições, o indivíduo se distrai, muitas vezes não se concentra no ato de comer, mastiga mais rápido e de forma ineficiente para auxiliar no processo de saciedade, acaba por estimular mais outros sentidos como o da visão e o auditivo, do que os sentidos que envolvem o ato de comer como paladar e olfato, o que também tem interferência. Por conseguinte, a refeição não é feita da forma correta, a pessoa não se sente saciada e tende a comer mais e de forma indistinta o que lhe estiver sendo servido. 

É recomendado realizar refeições sempre em ambientes tranquilos, onde o foco no momento realmente seja se alimentar, percebendo sabores, odores, texturas, mastigando o suficiente para auxiliar na saciedade e na dos alimentos.

- Comer fruta em todos os lanches pode ser chato e virar uma armadilha para a coxinha. Como diversificar as refeições sem cair no risco da comida excessivamente calórica?

A intenção é sempre diversificar os lanches, ou seja, mesmo que a opção seja saudável como o comer de uma fruta, todos os dias, isso se tornará monótono, o que também não é aconselhável no foco da reeducação alimentar. O recomendado para que não se caia nas “armadilhas” dos lanches como frituras e alimentos industrializados é sempre variar a fruta, a forma como é servida (colocar com um cereal como aveia, granola) servir como suco, acompanhando um sanduiche natural, em forma de salada de frutas, ou mesmo optar por lanches diferentes como tapiocas de diversos recheios, panquecas, omeletes, com recheios mais light e sempre mais naturais do que artificiais.

Palavras Chave:

Compartilhe

Saiba Mais