podcast do isaúde brasil

Publicada em 26/11/2019 às 14h27. Atualizada em 28/11/2019 às 17h37

Práticas pedagógicas para Deficiência Intelectual

Conheça algumas estratégias pedagógicas para promover a inclusão de crianças com deficiência intelectual no ambiente escolar.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Receber alunos com diferentes necessidades simboliza um aprendizado enorme para qualquer educador. Mas, além desse aspecto, podemos afirmar que contar com crianças de perfis variados em um mesmo espaço também significa um desafio considerável. Vamos imaginar, então, o que e quais são as estratégias pedagógicas adotadas pelos professores de estudantes que convivem com a deficiência intelectual (DI).

Se você já trabalha na área da educação especial, o que será tratado neste artigo apenas reforçará o papel desempenhado por toda a sua equipe. Essas práticas visam ao desenvolvimento dos alunos de forma que eles possam adquirir uma autonomia considerável para lidar com o seu cotidiano. Antes de mostrar aos leitores algumas das práticas que podem ser aplicadas na rotina dos estudantes, é importante relembrar algumas informações.

O que é Deficiência Intelectual?

A deficiência intelectual é caracterizada pelo funcionamento cognitivo que não corresponde à média esperada, ou seja, que esteja abaixo do que é considerado normal.

Ao longo das décadas, a denominação de deficiência intelectual foi sendo alterada de acordo com a concepção que os estudiosos passavam a ter acerca da doença. Para se ter uma ideia, os profissionais já mencionaram a DI como desenvolvimento cerebral incompleto ou desenvolvimento mental incompleto. Isso há aproximadamente 60 anos.

Práticas pedagógicas para deficiência intelectual: o que considerar?

É imprescindível levar em consideração muitos fatores que dizem respeito às práticas pedagógicas voltadas para os alunos com deficiência intelectual. Afinal, pode haver muita diferença entre eles. Sendo assim, quais quesitos os especialistas devem priorizar na elaboração de currículos?

Bom... A flexibilização curricular é algo que precisa ser pensado tendo em vista a demanda de cada estudante. Diante dos aspectos multifatoriais do corpo discente, vamos explicar o que deve ser feito sob um aspecto mais geral.

– Currículo adaptado

Isso não significa que o estudante deva ser excluído do restante da turma. Muito pelo contrário, é preciso adequar o currículo de forma que ele possa acompanhar o que é dado. No entanto, não podemos desmerecer o fato de que a criança ou o jovem precise de uma ajuda para tal. O professor pode encontrar alternativas no que está sendo lecionado.

– Qual é a forma de aprendizagem do aluno?

É preciso considerar que um estudante com deficiência intelectual pode ser cinestésico, visual ou auditivo. Isso significa que, dependendo da forma mais usual de a pessoa alcançar o conhecimento, maiores devem ser as chances de os professores utilizarem determinados recursos, a saber:

– alunos cinestésicos: é preciso que eles tenham materiais pedagógicos com os quais possam ser tocados;

– alunos visuais: a disponibilização de imagens em cartões e outros suportes são excelentes para propiciar o conhecimento;

– alunos auditivos: neste caso, as gravações de áudio são muito boas por permitir que os estudantes consigam concatenar melhor o conteúdo.

Avaliações

Assim como citado acima, as avaliações dos alunos que convivem com a deficiência intelectual devem e precisam ser adaptadas de acordo com a habilidade que mais lhes apetece.

Tempo para avaliações e atividades

A adaptação também é uma prerrogativa dos alunos nessa situação. Há que se ressaltar o seguinte aspecto: o professor nunca deve apressar o estudante. É preciso deixar a criança ou o jovem no seu próprio tempo. O importante é que o aluno demonstre evolução.

Deficiência intelectual e comportamento adaptativo

Pelo menos desde 2010, o conceito de deficiência intelectual abrange mais a população que vive sob os sintomas do transtorno. Além disso, a partir do ano mencionado, tem-se o conhecimento acerca de um detalhe importante: o teste de inteligência serve para medir o funcionamento intelectual da pessoa. No entanto, o comportamento adaptativo também passou a ser considerado. Dentro desse aspecto, estão também as habilidades sociais, conceituais e práticas.

Compartilhe

Saiba Mais