podcast do isaúde brasil

Publicada em 09/07/2019 às 16h28. Atualizada em 09/07/2019 às 17h22

Qual a importância da avaliação psicológica nos transtornos de aprendizagem?

Os transtornos de aprendizagem são mais comuns do que as pessoas imaginam, por isso a importância do diagnóstico e do acompanhamento profissional adequados. Confia o artigo da psicomotricista Luciana Brites.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Com o acesso à informação e o avanço de pesquisas realizadas acerca da temática, ficou muito mais fácil esclarecer alguns pontos fundamentais. Os transtornos de aprendizagem podem ser considerados como um distúrbio que está interligado a alguns déficits que impactam a capacidade pedagógica da criança.

No entanto, devemos deixar bem claro que não se pode confundir transtornos com dificuldades de aprendizagem. Ambos são distintos e, como tal, adotam técnicas diferentes para a busca de soluções aos casos apresentados. Enquanto os transtornos de aprendizagem são causados por fatores biológicos, segundo a 5ª edição do Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V); as dificuldades têm origem em estímulos externos.

Por que a avaliação psicológica é importante?

Considerando que os transtornos de aprendizagem afetam o aspecto do neurodesenvolvimento, nota-se um motivo a mais para que a criança seja levada ao consultório de um especialista.

Os terapeutas tendem a utilizar técnicas que terão o objetivo de analisar a situação do pequeno em relação à sua vida no ambiente familiar e na escola. Além disso, os psicólogos procuram identificar o impacto que esse quadro gerou na vida do paciente.

A partir desse diagnóstico, o profissional conversará com os pais e até mesmo indicará outros especialistas que podem complementar o tratamento. O objetivo é estabelecer todos os caminhos que levem a soluções eficazes para diminuir o impacto que os transtornos de aprendizagem provocam no cérebro.

Os Transtornos de Aprendizagem e a atividade cerebral

A origem dos Transtornos de Aprendizagem inclui uma interação de fatores genéticos, ambientais e epigenéticos. Isso influencia a capacidade do cérebro em processar ou perceber as informações, sejam elas verbais ou não-verbais. Os Transtornos de Aprendizagem afetam o aspecto cognitivo da pessoa, o que justifica a necessidade de um acompanhamento psicológico, mas que também conte com outros profissionais.

Tratamento multidisciplinar: uma etapa importante

A avaliação multidisciplinar é importante para que o paciente seja observado por profissionais de diversas áreas, como psicopedagogos, fonoaudiólogos, neurologistas infantis e psicólogos. Além disso, é interessante saber quais testes devem ser utilizados para avaliar a criança; e, por fim, reunir a equipe multidisciplinar a fim de que se chegue ao diagnóstico com total precisão.

Quais são os tipos mais comuns de Transtorno de Aprendizagem:

– Transtorno de matemática: também conhecido como discalculia, o distúrbio não está relacionado à falta total da habilidade matemática na vida da criança, mas na maneira que o pequeno associa esse conhecimento com o mundo em que está inserida;

–   Transtorno de escrita: Problemas voltados para a construção da ortografia e caligrafia;

– Transtorno da leitura ou dislexia: problemas de identificação no reconhecimento das palavras, decodificação e ortografia.

A relação dos professores frente aos desafios

A atuação dos professores em relação aos Transtornos de Aprendizagem do aluno também é um ponto interessante nesse processo, pois os educadores, ao analisarem as dificuldades e o rendimento escolar, devem enviar relatório detalhado à equipe multidisciplinar. Importante que no documento esteja contido todos os detalhes que descrevem o dia a dia do aluno.

Importante salientar que a criança, cujo desempenho escolar esteja prejudicado por algum fator, precisa desses acompanhamentos para providenciar soluções não só na infância presente, mas também no futuro.

Pais, mães e responsáveis, é muito importante que a qualquer sinal de profunda dificuldade na vida escolar, a situação da criança seja analisada e indicada a algum tratamento, caso seja necessário.

Compartilhe

Saiba Mais