podcast do isaúde brasil

Publicada em 23/03/2015 às 00h00. Atualizada em 23/03/2015 às 12h19

Quando devo iniciar as consultas de meu bebê ao dentista?

Confira, nesta entrevista com a odontopediatra Dra. Anna Paula Greck, quando levar seu filho(a) pela primeira vez ao odontopediatra, como fazer a higiene bucal antes do nascimento dos dentes e muito mais.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

iSB – Quando devo levar meu filho pela primeira vez ao dentista?

Dra. Anna Paula Greck – A primeira visita ao odontopediatra deverá acontecer no primeiro ano de vida do bebê, entre o oitavo e o décimo mês, com os primeiros dentinhos se posicionando. Essa consulta trará certamente muitas orientações e dicas de alimentação e higiene oral adequada para cada faixa etária. No primeiro ano de vida do neném, é dever dos pais uma consulta mensal com o pediatra, portanto, 12 consultas. Nós, odontopediatras, entretanto, pedimos pelo menos uma consulta preventiva com foco principal na orientação aos pais e cuidadores, nesse primeiro ano de vida. O cuidado com a primeira dentição do bebê é sinônimo de um sorriso saudável no futuro. 

Geralmente, uma única visita no primeiro ano de vida é o suficiente em caso de bebês sem cárie ou sem intercorrências de traumatismos bucais anteriores. Ao examinar a boca do bebê, o profissional irá avaliar a qualidade do esmalte dos dentes, a sua posição, arcadas e gengivas. Qualquer sinal de descalcificação no esmalte dentário será percebido e até tratado nessa época da vida.

Crianças acompanhadas, desde cedo, são ensinadas e motivadas a praticarem a saúde bucal com gestos simples, necessários e positivos. Elas são capazes de entender e aprender mais do que imaginamos!

Outra vantagem de começar os cuidados cedinho é que a criança vai se acostumando com o ambiente, com os profissionais e com os procedimentos. Um bom vínculo com o odontopediatra evita ansiedade durante o atendimento. Muitas vezes, a visita é tão tardia que a criança já precisa tratar cáries, canal ou até mesmo extrair o dente.

Para que a criança não sofra tendo que passar por tratamentos complexos, o melhor é prevenir! As doenças bucais podem ser evitadas com a prevenção.

iSB – Como deve ser feita a higiene bucal da criança enquanto ainda não nasceram seus dentes?

Dra. Anna Paula Greck – A limpeza da boca do bebê deve começar a partir do segundo mês de vida, mesmo antes de os dentinhos aparecerem. Recomendamos usar apenas gaze embebida em água filtrada e fervida, uma vez ao dia, para as boquinhas sem dentes (gengivas, bochechas e língua). Com a aparição dos primeiros dentinhos, essa higiene aumenta em quantidade e qualidade: passaremos a usar escova pequena e macia (adaptada para essa faixa etária), com água, na frequência de duas a três vezes ao dia. O creme dental ainda é dispensável.

iSB – Quais as principais doenças bucais que atingem os bebês?

Dra. Anna Paula Greck – Os traumatismos bucais acontecem com muita frequência, principalmente quando o bebê começa a andar. Podem ser sérios e assustadores quando sangram muito ou fraturam os dentes do bebê. Podem até precisar de atendimento imediato. Infelizmente, as cáries ainda são uma realidade para muitos bebês e crianças pequenas no nosso estado e no nosso país. Ainda existe a crença errada de que os dentes de leite vão ser trocados. Lembramos que, em algumas crianças, eles podem ficar na boca até os 12 anos de idade. A monilíase, conhecida popularmente por sapinho, também é comum e precisa de tratamento simples e higiene bucal.

iSB – A partir de qual idade é recomendado que a escovação de dentes da criança seja feita com a pasta de dentes convencional? Por que ela deve ser evitada antes desse período?

Dra. Anna Paula Greck – Crianças menores de três anos devem utilizar cremes dentais com critério. Como nessa idade não há coordenação motora, nem maturidade para cuspir, a criança tende a engolir toda a pasta durante a escovação. Os pais ou responsáveis podem executar a escovação, utilizando mínimas quantidades de creme dental com flúor (fala-se em um grão de arroz cru), se estiverem certos de que a água de abastecimento da cidade onde residem preenche os requisitos de fluoretação criteriosa (algo em torno de 0,6 a 1,0 ppm de flúor). A ingestão excessiva de pasta dental com flúor pode aumentar o risco de fluorose, que são manchas brancas no esmalte dos dentes permanentes. 

A orientação de um dentista especializado nessa faixa etária é importante para individualizar a necessidade de cada criança e, até mesmo, o uso de flúor no consultório.

iSB – A primeira dentição, normalmente, está formada quando a criança está com quantos anos?

Dra. Anna Paula Greck – Geralmente, até os três anos de idade, a criança terá todos os dentes de leite. Ao todo, são 20 dentes (10 superiores e 10 inferiores). É normal um pequeno atraso ou adiantamento dos dentes, nessa fase. Qualquer dúvida maior deve ser tirada com um odontopediatra.

iSB – O que os pais podem fazer para aliviar o incômodo da criança com o aparecimento dos primeiros dentes?

Dra. Anna Paula Greck – Os primeiros sinais de que os dentinhos estão chegando são: coceira na gengiva, pela pressão dos dentes, gengiva mais abaulada e esbranquiçada e aumento da salivação, por conta do amadurecimento das glândulas salivares e pela incapacidade de o bebê engolir toda a saliva. Todos esses sintomas podem deixar o sono do bebê mais agitado e com apetite diminuído. O seu bebê pode ficar superirritado e instável, sobretudo no final do dia, ao cair da tarde.

A chegada dos primeiros dentinhos geralmente ocorre no período em que a criança já senta e aumenta seu espaço para brincar. Nessa fase, o bebê leva a mão e tudo o que pega à boca, principalmente para aliviar a coceira das gengivas. As impurezas são transportadas do ambiente para o organismo do bebê, podendo, assim, ocasionar estados febris, vômitos e diarreias, sintomas comumente relacionados pelos pais ao aparecimento dos primeiros dentinhos.

Mordedores de borracha e silicone ajudam a aliviar a coceira gengival, funcionando como massageadores da gengiva. O alívio será maior se antes o mordedor ficar na geladeira, pois o frio traz conforto às gengivas.

A mamãe pode ainda fazer massagem com o dedo indicador em toda a gengiva, sempre com a mão bem limpa e as unhas curtas. Se a irritação for muito forte, consulte o odontopediatra e o pediatra, que poderão receitar analgésicos e antitérmicos, após examinar a criança. Preferimos prescrever medicações fitoterápicas ou homeopáticas para esse período que pode ser muito intenso e desagradável para o bebê. A dedeira é uma boa coadjuvante para esse período, pois massageia bastante e até limpa um pouco.

iSB – Qual é a frequência ideal em que os pais devem levar a criança ao dentista?

Dra. Anna Paula Greck – Após examinar e conhecer a qualidade e posicionamento das arcadas dentais da criança, o odontopediatra irá informar quando será a próxima visita do seu bebê, e essa frequência vai variar de acordo com a necessidade individual de cada criança. É importante que os pais não deixem o intervalo entre as consultas ultrapassar seis meses, pois, assim, pode ser detectada uma cárie inicial, por exemplo, e também fica mais fácil recuperar o dente danificado até mesmo sem restauração. Cada caso é único e precisa ser avaliado com cuidados.

Compartilhe