podcast do isaúde brasil

Publicada em 23/11/2011 às 23h00.

Saiba como evitar as dolorosas “pedras” nos rins

Prevenção é a palavra-chave. Cálculos renais precisam de muito tempo para se formar.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Esqueça a dor de dentes. Eliminar cálculos pelas vias urinárias provoca uma das dores mais intensas que o corpo humano pode suportar. Quem já passou ou presenciou alguém passar por uma crise de “pedra nos rins”, como é chamada popularmente a litíase – a produção de cálculos renais – sabe que há poucos problemas de saúde tão dolorosos: fortes cólicas associadas a náusea, vômitos e agitação.

A pior sensação é causada quando o cálculo ou a pedra (em geral algum cristal produzido pelo organismo) está sendo expelido. A cólica começa quase sempre na região lombar e vai se irradiando pelo meio dos quadris, afetando vagina e testículos. Na hora de pico da dor, só o uso de analgésicos muito potentes podem ajudar. Não é incomum que os cálculos obstruam a via urinária.

As estatísticas mostram que pelo menos dez por cento da população mundial vai ter alguma vez na vida uma ou mais crises desse tipo. No entanto, a litíase pode ser assintomática e identificada somente em exames ocasionais. Em fase aguda, para saber se se trata de uma crise, em geral pede-se sumário de urina, exame de raios X simples de abdômen e ultrassonografia de rins e vias urinárias. Quem já teve e eliminou uma pedra, tem 50% de chances de reviver o problema nos cinco a sete anos seguintes.
 
Formados por cristais de diversas substâncias, os cálculos renais podem ser microscópicos ou tão grandes que precisam ser retirados cirurgicamente. Uma navegada rápida pela internet ou por livros de medicina vai revelar pedras com cores e formas variadas, que podem atingir o tamanho de uma pequena manga – casos raríssimos, claro.

Muita água e dieta balanceada

Todo dia ouvimos dizer que é importante beber água várias vezes ao dia e manter uma dieta balanceada. Pois bem, essa também é a receita ideal para quem quer evitar ter problemas nos rins, seja com cálculos ou não. A boa notícia é que a prevenção é a palavra-chave para evitar a doença, porque as tais pedras precisam de muito tempo para se formar.

Os médicos recomendam aumentar o fluxo urinário: tomar muito líquido, evitar infecções e esvaziar a bexiga antes de ela chegar a seu limite. Nada de ficar ‘segurando’ a urina


A literatura médica descreve mais de 200 componentes na composição das pedras, embora a maioria deles seja constituída por oxalato de cálcio. Em geral, os portadores da litíase absorvem muito cálcio através do intestino, o que causa excreção urinária mais elevada do elemento.

Para evitar o acúmulo e sedimentação do oxalato de cálcio e outras substâncias nos rins, os médicos recomendam aumentar o fluxo urinário: tomar muito líquido, evitar infecções e esvaziar a bexiga antes de ela chegar a seu limite. Nada de ficar “segurando” a urina.

Antigamente, retirar cálculos dos rins era um procedimento cirúrgico complicado, mas muito comum (afinal, não havia outra opção!). Hoje esse tipo de operação é indicado raramente, apenas em função da localização ou do porte dos cálculos.

Felizmente, a tecnologia avançou muito com reflexos positivos na prática médica. Aparelhos endoscópicos são capazes de atingir pedras nas partes mais altas do sistema urinário e retirá-las ou destruí-las com laser. O método é chamado de litotripsia, não é invasivo e permite fragmentar as pedrinhas por meio do ultrassom.

O cálcio não é um vilão


Durante um bom tempo se pensou que, por estar relacionada com a absorção de cálcio, a formação de cálculos pudesse ser evitada com uma óbvia modificação de hábitos alimentares. No entanto, embora adotar uma dieta pobre em cálcio pareça ser a solução mais evidente, temos que lembrar que ele é fundamental para a formação dos ossos e, se o organismo não receber as doses mínimas corretas, o resultado é a diminuição da densidade óssea, que pode levar à osteoporose.

Uma pesquisa feita na Inglaterra mostrou que o mais indicado na prevenção da formação de cálculos de oxalato de cálcio é a adoção de uma dieta contendo quantidades básicas de cálcio (1.200mg por dia), associada à diminuição da quantidade de proteína animal e de sal.

Apesar de vermos os rins como órgãos basicamente de excreção, eles são muito importantes para que o organismo funcione de forma saudável. Eles removem resíduos, mas também componentes normais do sangue que eventualmente apresentam-se em concentrações maiores do que o normal.

Quando há excesso de água, íons de sódio, cálcio, potássio e outros elementos, o que está “sobrando” vai rapidamente para a urina. Por outro lado, os rins conseguem recuperar as substâncias de que necessitamos, mesmo quando elas estão presentes no sangue em pouca quantidade. É como se eles fossem uma central de informações que mantêm o corpo humano e as substâncias de que necessita em perfeito equilíbrio – o que vale dizer que ele, o rim, é um dos principais reguladores da homeostase sanguínea (homeostase é a propriedade que os seres vivos têm de regular o seu ambiente interno para manter uma condição estável, mediante múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico controlados por mecanismos de regulação interrelacionados).

A Dra. Responde

Como posso evitar a formação de cálculos? Devo fazer alguma dieta?

Bebendo muito líquido, evitando o sal na dieta, a carne vermelha e a levedura da cerveja.

Qual o tipo de tratamento mais adequado para meu caso?

Depende do tipo de cálculo, do tamanho e da localização do cálculo.

Compartilhe
Serviços Gratuitos
  • Hospital Especializado Octávio Mangabeira
    Heom
    Tel. 3117-1609 / 3117-1610
    Praça Conselheiro João Alfredo, s/nº, Bairro do Pau Miúdo, Salvador-Bahia -CEP 40.320-350
  • Hospital Universitário Prof. Edgard Santos
    HUPES
    Tel: 3283-8392
    Rua Augusto Viana S/N, Canela, Salvador, Bahia - Cep 40.110-060