podcast do isaúde brasil

Publicada em 31/07/2014 às 00h00. Atualizada em 31/07/2014 às 11h51

Tecnologias móveis: o outro lado da moeda

Muito utilizadas como ferramentas terapêuticas e educacionais, as novas tecnologias também podem trazer alguns danos à saúde do usuário

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

São indiscutíveis as inestimáveis vantagens das novas tecnologias em todos os campos do conhecimento, desde a simples integração com o mundo, que a Internet tem proporcionado, até as descobertas científicas que ganharam novas dimensões. Mas... “Nem tudo é uma maravilha: as rosas apesar de lindas e sedosas possuem espinhos.” Nas ultimas décadas, essa evolução foi tão acentuada que tornou difícil seu acompanhamento e completo discernimento entre benefícios e malefícios de seu uso, principalmente no tocante à faixa etária infantil e adolescente.

"Entre as principais preocupações sobre o uso desses aparelhos na infância, destacam-se o sedentarismo, o baixo relacionamento social das crianças e o atraso no desenvolvimento neuropsicomotor."

Atualmente, os jovens e as crianças estão tendo acesso a todo esse avanço tecnológico cada vez mais cedo, em períodos que ainda estão em formação e desenvolvimento. Alguns estudos mencionam que, mais da metade das crianças nos EUA têm acesso ao tablet, smartphone ou algum dispositivo similar. Entre as principais preocupações sobre o uso desses aparelhos na infância, destacam-se o sedentarismo, o baixo relacionamento social das crianças e o atraso no desenvolvimento neuropsicomotor.

O período crucial para uma boa aquisição sensorial está entre o nascimento e os sete primeiros meses de vida, no qual o bebê vive de maneira intensa o vínculo materno e intenso contato visual. Esse tipo de estimulação sensorial é necessário para um bom desenvolvimento postural, para a coordenação motora e para a atenção. Atualmente, observa-se uma dependência tecnológica nas crianças para poderem brincar e se divertir. Dessa forma, ocorre redução dos potenciais criativos, imaginativos e da utilização do corpo nas brincadeiras nessa faixa etária, o que, por sua vez, promove enfraquecimento do desenvolvimento sensório-motor, impactando no alicerce das habilidades acadêmicas.

Além disso, em crianças um pouco maiores e entre os adolescentes começa a surgir outro problema: qual é o limite entre o mundo real e o virtual? A Internet, o telefone celular e muitos novos equipamentos de tecnologia da informação vão transformando os comportamentos e as formas de se relacionar com a família, com os amigos e com as novas possibilidades de viajar pelo mundo sem sair de casa. Por outro lado, começam a aparecer novos riscos à saúde para essa geração (da era digital), devido ao excesso de horas no uso do computador, deficiência de sono, hábitos sedentários, fadiga ocular, risco de perda auditiva pelos equipamentos sonoros, síndrome do túnel do carpo, alterações posturais, queda do rendimento escolar. 

"Se por um lado esses jovens têm acesso às informações nos seus computadores, sabendo praticamente tudo em tempo real; por outro, ocorre queda no rendimento escolar, pois muitos deles não se dedicam em fazer um trabalho original e apenas “copiam e colam” os dados que encontram na Internet."

Se por um lado esses jovens têm acesso às informações nos seus computadores, sabendo praticamente tudo em tempo real; por outro, ocorre queda no rendimento escolar, pois muitos deles não se dedicam em fazer um trabalho original e apenas “copiam e colam” os dados que encontram na Internet. Além disso, como explicar o fato de esses adolescentes participarem de redes sociais com tantos contatos e conexões, mas terem dificuldade na comunicação/relação interpessoal e no relacionamento afetivo com as famílias? Na verdade, o que acontece é uma perda da proximidade, incluindo presença e, inclusive, contato físico, fatores indispensáveis na estruturação de valores, incluindo o senso de compaixão, companheirismo e sexualidade, entre outros.

É importante ainda mencionar outros problemas ainda mais graves, advindos com os avanços tecnológicos. Pais e profissionais de saúde, educação, segurança e comunicação que lidam cotidianamente com crianças e adolescentes necessitam saber sobre tecnoestresse (dependência à Internet, celulares e computadores, gerando quadros de ansiedade), cyberbullying, sexting, jogos on-line, conteúdo impróprio, pornografia e pedofilia on-line. Esses termos retratam situações, doenças ou, até mesmo, crimes relacionados ao uso da Internet. Entre eles, cabe ressaltar cyberbullyingsexting e pedofilia on-line por suas gravidades.

O cyberbullying é uma forma de violência praticada por alguns jovens, em que celulares, câmeras fotográficas, Internet e redes sociais são utilizados para divulgar conteúdos que ofendem, humilham e ameaçam outros jovens com fotos, vídeos ou comentários violentos, causando vergonha e intimidação. Já o sexting é uma forma de expressar a sexualidade, na qual adolescentes e jovens usam a Internet e seus aparelhos celulares para produzir e publicar fotos sensuais de seus corpos (nus ou quase nus) e pode também envolver a troca de mensagens de texto eróticas, com convites e brincadeiras sexuais. Num contexto similar, surge a pedofilia na Internet, onde adultos anônimos se aproveitam de crianças e adolescentes, geralmente em sites de bate-papo, inicialmente fingindo serem da mesma idade que eles para ganhar a confiança e, depois, pedindo para mostrarem intimidades pela webcam. É importante lembrar que essas duas últimas situações mencionadas são crimes! 

Assim, os pais e os demais adultos que convivem com os jovens devem estar atentos a mudanças no comportamento e na utilização dos aparelhos eletrônicos (celulares, tablets e computadores), por parte das crianças e adolescentes. Caso confirmem a existência desses crimes mencionados no parágrafo anterior, devem denunciar na Delegacia de Polícia Civil ou na Delegacia para Repressão de Crimes Cibernéticos (caso exista em sua cidade).

Finalmente, como na maioria das coisas na vida, existem pontos positivos e outros tantos negativos na utilização das novas tecnologias. Cabe a cada indivíduo encontrar um equilíbrio harmônico, visando aproveitar o melhor delas, superando as inconveniências. Além disso, é importante enfatizar que a proibição à utilização desses recursos não é o melhor caminho. O segredo é observar cuidadosamente o comportamento dos jovens, orientando-os para um uso dos aparelhos eletrônicos e da Internet de forma racional, com regras e limites.

Compartilhe

CURIOSIDADES

O cyberbullying é uma forma de violência praticada por alguns jovens, em que celulares, câmeras fotográficas, Internet e redes sociais são utilizados para divulgar conteúdos que ofendem, humilham e ameaçam outros jovens com fotos, vídeos ou comentários violentos, causando vergonha e intimidação. Já o sexting é uma forma de expressar a sexualidade, na qual adolescentes e jovens usam a Internet e seus aparelhos celulares para produzir e publicar fotos sensuais de seus corpos (nus ou quase nus) e pode também envolver a troca de mensagens de texto eróticas, com convites e brincadeiras sexuais.